Páginas

3.11.07

Portela sem mais nenhum...

2.11.07

Millenium Development Goals


A ONU lançou um site onde é possível seguir a evolução deste programa, lançado em 2000, através da consulta interactiva de dados actualizados sobre 130 países.

Os membros das Nações Unidas comprometeram-se então a reduzir em 50%, até 2015, oito indicadores de pobreza no mundo.

Visita aconselhada.


Estranhos Costumes


No México, celebração do Dia dos Mortos, com esqueletos que representam Diego Rivera e Frida Khalo.

Visto aqui.

1.11.07

É a globalização, estúpido!


Pão-por-Deus e Halloween – coisas muito diferentes para um só dia? Fazem-se umas sínteses.

Há um ano, na ilha do Pico, o meu neto e os colegas do jardim infantil andaram de casa em casa (pedindo o tal pão por deus e outros afins) com abóboras halloweenianas enfiadas na cabeça. Do que lhes iria dentro das ditas cabeças, não faço a mínima ideia.

31.10.07

As galáxias da blogosfera


Foi da leitura de um texto de Miss Pearls que nasceu este post.

Mas, mais do que um café do fim do século XIX, a blogosfera lembra-me o Google Space. Cheio de astros isolados que ganham forma quando nos aproximamos, de constelações mais ou menos difusas que reconhecemos ou não, de manchas sem formas bem definidas que se mostram e se escondem.

Quem é só leitor e não também «dono» de blogues (o que era o meu caso até há meia dúzia de meses) não se apercebe da subtil complexidade das galáxias em que pairam e se movimentam autores, textos, fotografias, comentários, mails, links e sitemeters.

Talvez nem saiba que há constelações de primeira (as mesas VIP do café de Miss Pearls), que nem são, necessariamente, os mais frequentados mas que congregam, prioritariamente, quem nos entra pela casa dentro também pela televisão e pela imprensa e não só por um qualquer Bloglines. Nós conhecemo-los e eles conhecem-se – mas não nos conhecem e isso faz toda a diferença. Escrevem sobretudo uns para os outros (com mais ou menos salamaleques), o que se compreende. Só não gosto quando são arrogantes, o que é raro mas acontece. Há alguns meses, houve quem anunciasse que ia reorganizar os seus links e sugerisse aos simples mortais seus desconhecidos que deixassem na caixa de comentários os URL’s dos seus blogues para ele os visitar e decidir depois se «mereciam» (a expressão é minha, mas não a ideia) figurar no seu template. Dispenso-me de comentar.

No resto do firmamento que eu conheço e frequento (uma ínfima parte do universo), há exemplares para todos os gostos, desde os ferozmente militantes de causas várias aos intimistas, aos subtis e sibilinos, aos estudiosos, aos sempre-em-festa, aos deprimidos, aos que «linkam» por tudo e por nada, aos que não olham para o lado. Contribuem, cada um à sua maneira, para o nosso céu de cada noite.

E há também, qual estrela singular, o Abrupto. Que visito todos os dias, compulsivamente, embora receie ir encontrar a centésima fotografia de um banco no jardim de Santo Amaro. Goste-se ou não – e eu gosto –, é um astro absolutamente original na nossa Via Láctea.

Extragalácticos antes de começarmos, entramos sozinhos. Mas, a pouco e pouco, vamos construindo algumas teias e há outras que nos incluem. Passamos a reconhecer os estilos, habituamo-nos a prever opiniões e preferências, vamos adivinhando idades. As caras não fazem falta, mas é agradável se aparecem – quando, blogosfera adentro, saímos por uma porta e encontramos, no chamado mundo real, quem só conhecíamos pelo ecrã e pelo teclado.

Temos dias em que pensamos parar. Mas vamos voltando, adictos de um vício que, até prova em contrário, não parece provocar grandes danos colaterais. Num mundo onde se pode respirar – e, sobretudo, que nos diverte.


P.S. – Dos leitores que não têm blogues nem deixam comentários falarei mais tarde – é um outro universo, silencioso e cheio de mistérios.

Jung Chang e os Jogos Olímpicos

A doze meses dos Jogos Olímpicos de Pequim, o Guardian publica uma entrevista a Jung Chang, autora de Mao, a História Desconhecida e de Cisnes Selvagens, onde ela fala do impacto dos seus livros, de direitos humanos na China e da sua posição face à realização dos Jogos Olímpicos.
A ler.

«Many hope that the international attention next year's Olympics will bring may change this situation. Does Chang share these hopes? "I don't think the Olympics should be boycotted. China is making progress - slowly, too slowly in some areas, stagnating in others ... But boycotting might be counter-productive [and] I don't think it will force the Chinese regime to change".
"The regime wants to impress, it doesn't want people to boycott the Olympics, and therefore they have to relax the repression and therefore human rights conditions improve. But I do hope that will last after the Olympics is over".»

30.10.07

O «Outubro» de Rui Bebiano



A quem passe por este blogue e não tenha por hábito visitar

A Terceira Noite,

aconselho que leia, «sublinhe» e guarde

os cinco textos de Rui Bebiano.


O último aponta para os quatro primeiros.

Este mundo está perigoso

Agora é aos farmacêuticos que Bento XVI pede para não fornecerem produtos para escolhas «claramente imorais», como a pílula do dia seguinte e a eutanásia.

«Bento XVI defendeu hoje no Vaticano que a objecção de consciência "é um direito que deve ser reconhecido" também aos farmacêuticos nos casos do aborto e da eutanásia. Recebendo no Vaticano os participantes do Congresso Mundial "As novas fronteiras do acto farmacêutico", o Papa pediu que estes profissionais possam ter a opção de "não colaborar directa ou indirectamente no fornecimento de produtos que têm como objectivo escolhas claramente imorais".
Entre as preocupações apontadas estão as substâncias que impedem "a nidificação de um embrião" (a chamada pílula abortiva" e as que procuram "abreviar a vida de uma pessoa".»


Até onde irá esta cruzada? Sim, porque é disso que se trata, tenhamos consciência. E mais eficaz do que pensamos – nós, europeus cépticos, que nos limitamos a encolher os ombros. Veja-se o que vai pelos Estados Unidos.

29.10.07

498 beatos a mais


Já muito foi escrito sobre a beatificação, ontem em Roma, de 498 alegados «mártires» que, durante a Guerra Civil espanhola, alinharam com Franco. Os jornais espanhóis trazem hoje notícias detalhadas.

Isto acontece quando o governo de José Luís Zapatero reabilita a memória das vítimas do franquismo e não consta que haja qualquer posição da Igreja, em Espanha ou no Vaticano, em que esta se penitencie pela cumplicidade com o fascismo ao longo de décadas.

Espectáculo lamentável a que assistiram pouco mais de 30 000 pessoas quando, em Espanha, se chegou a falar de um milhão.

Entretanto, o «nosso» inefável cardeal José Saraiva Martins, que presidiu às cerimónias, aproveitou para condenar o aborto e a homossexualidade (a que propósito?!...) nestes precisos termos: «Por eso, ser cristianos coherentes nos impone no inhibirnos ante el deber de contribuir al bien común y moldear la sociedad siempre según justicia, defendiendo - en un diálogo informado por la caridad - nuestras convicciones sobre la dignidad de la persona, sobre la vida desde la concepción hasta la muerte natural, sobre la familia fundada en la unión matrimonial una e indisoluble entre un hombre y una mujer (...).»

«Is Google God?»


PROVA nº 1 – O Google é o que há de mais próximo de uma entidade omnisciente.

PROVA nº 2 – O Google é omnipresente.

PROVA nº 3 – O Google responde aos que lhe pedem qualquer coisa.

PROVA nº 4 – O Google é potencialmente imortal.

PROVA nº 5 – O Google é infinito.

PROVA nº 6 – O Google lembra-se de tudo.

PROVA nº 7 – O Google é omnibenevolente.

PROVA nº 8 – «Google» é mais procurado do que «Deus», «Jesus», «Buda», etc.

PROVA nº 9 – É grande a evidência da sua existência.

Leia tudo aqui.

28.10.07

«Au temps où Bruxelles rêvait»


A Bélgica continua sem governo, enredada nas velhas querelas linguísticas entre flamengos e valões.

Chegou agora a vez de os habitantes de Bruxelas – cidade encravada geograficamente na Flandres, mas de maioria francófona e, para além disso e ironicamente, capital da «união» europeia – fazerem ouvir a sua voz.

Simbolicamente, colaram em locais estratégicos cartazes em que anunciam que a capital será posta à venda na net (já têm este site) e onde sublinham os seus valores.

Bruxelas não será uma das mais belas cidades da Europa, mas permite uma excelente qualidade de vida.

Já lá fui muito feliz. E o Jacques Brel também.


Tudo muda – até a hora


Foi exactamente há um século que, no Reino Unido, foi proposta pela primeira vez a adopção da hora de Verão. Mas a sua concretização só se deu em plena Primeira Guerra Mundial, em 1916, por iniciativa da Alemanha, pressionada pela necessidade de poupança de meios energéticos.

Muito antes, no fim do século XVIII, Benjamim Franklin, então embaixador dos Estados Unidos em França, mostrou-se escandalizado com o facto de os parisienses não se levantarem mais cedo no Verão e aproveitou para declarar: «Deitar e levantar cedo tornam o homem sábio, rico e são» – variante do nosso «Deitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer».

Actualmente, cerca de um quarto da humanidade adianta ou atrasa relógios duas vezes por ano – mas não nas mesmas datas...

Entretanto, continua a polémica sobre vantagens e inconvenientes, jet lag, etc., etc. Enquanto o pau vai e vem, hoje vamos dormir mais uma hora.

Estas curiosidades e muitas outras, num artigo do jornal espanhol Público.