22.11.08

Holodomor












Durante as cerimónias comemorativas do 75º aniversário do Holodomor, Victor Iuschenko, presidente da Ucrânia, pediu à comunidade internacional que condenasse os crimes do regime soviético:

«"Hoje, estamos unidos pela memória sobre uma das maiores catástrofes da história da humanidade e da vida da Ucrânia", declarou Iuschenko, em Kiev, durante as cerimónias comemorativas do 75º aniversário do Holodomor, fome artificialmente provocada pelo ditador comunista José Estaline, nos anos 30 do séc. XX, com vista a obrigar os camponeses a aderir à colectivização. (...)
"Foram exterminados sem piedade milhões de inocentes, metade dos quais eram crianças. Ao mesmo tempo, foram liquidados intelectuais, escritores, cientistas, professores, sacerdotes, todos os que pudessem contrapor a mais pequena resistência intelectual", frisou.
Segundo Iuschenko, "o regime comunista, durante décadas, tentou matar também a memória sobre as vítimas da tragédia. Todas as recordações sobre a tragédia foram proibidas e severamente castigadas".(...)
O Presidente russo, Dmitri Medvedev, recusou-se a participar nas cerimónias, acusando o dirigente ucraniano de estar a utilizar esse acontecimento com fins políticos e nacionalistas.
O Kremlin condenou os crimes do estalinismo, nomeadamente as grandes fomes dos anos 30 do séc. XX, mas considerou que não se tratou de um genocídio, pois Estaline não assassinou milhões de ucranianos, mas também milhões de russos, cazaques, judeus.
Esta polémica tem azedado as relações russo-ucranianas nas últimas semanas.»

Chocante















...no mínimo, a entrevista de Judite de Sousa a Dias Loureiro, ontem na RTP1.

Antes de mais, registe-se a flagrante diferença, em termos de agressividade (neste caso, de falta dela), com que o convidado foi tratado, se nos lembrarmos do tom em que a ministra da Educação foi interpelada na noite anterior – cada um tem as amizades que escolhe (e talvez também que merece), mas com a obrigação de as deixar à porta do local de trabalho.

Quanto à prestação de Dias Loureiro, foi, de facto, patética:

«Dias Loureiro, trémulo e escandalosamente assustadiço, brindou os ouvintes com uma máscara (já muito conhecida) de ignorância em todos os assuntos que lhe diziam respeito, perante a deferência piegas da sua colega Judite de Sousa. Foi patético seguir a excelência do método loureiriano de administração de empresas, onde ninguém entendeu o que ele por lá fazia senão que tinha encontros espapaçados (e a sós) com o inefável Oliveira e Costa - "brilhante, muito inteligente, um trabalhador incansável", ainda segundo a propaganda do amigo e conselheiro de Cavaco Silva – e que num qualquer tempo assinava as contas da mercearia (o singular BPN)».

Ainda a procissão vai no adro e leva muitos andores, bispos ricamente paramentados e adultos vestidos de anjinhos. Espera-se que não recolha à igreja antes de fazer o percurso obrigatório.


21.11.08

A insustentada proeza de avaliar
















Tenho resistido a escrever sobre o assunto, mas lá terá de ser. A partir de 1970, fui avaliada durante 25 anos. Desses, nos últimos 16, fui também avaliadora – e de que maneira. Com todos os condimentos: classificação a condicionar a progressão na carreira e as percentagens no aumento anual dos salários, com quotas para Muito Bom e Excelente, etc., etc. Com choros e ranger de dentes.

Eu sei que uma empresa não é igual a uma escola até porque também fui professora. Mas ouvir uma comentadora encartada dizer que um professor não pode ser avaliado porque é um artista ou um professor propriamente dito explicar, numa mesa redonda de uma estação de televisão (onde devia estar a representar mais do que a sua própria família, certamente embevecida pela sua prestação), que é inaceitável que alguém avalie ou possa ser avaliado por um amigo é absolutamente extraordinário e tira-me do sério (difícil é fazê-lo com «inimigos», garanto-lhe eu).

Assistir a esta discussão nos termos em que ela se tem processado só não me cheira a naftalina porque se passa muitas vezes ou ar livre, mas faz com que me sinta num país de imponentes dinossáurios. Alguém tem prazer em ser avaliado ou em avaliar? Certamente que não, excepto por puro sado-masoquismo. Mas a avaliação é uma das peças do jogo em que nos movemos e para o qual, até ver, nem os mais iluminados estão a encontrar alternativas. E os professores, por mais que queiram, não têm um campeonato próprio.

E, no entanto:

Isto não vai acabar bem, quaisquer que sejam os «vencedores». Posso estar enganada, mas parece-me que o problema está a montante: julgo que a maioria das escolas não tem um sistema de gestão por objectivos suficientemente simples, mas consistente e assumido, para «aguentar» a implementação da avaliação que se pretende – esta não deve ser mais do que um simples elo na engrenagem, nunca o seu motor. Contra o argumento de que é necessário pegar por um lado qualquer, recordo que é perigoso construir uma casa começando pelo telhado, mesmo que esteja a chover

Além disso, a avaliação não será viável, ainda que o modelo seja perfeito (e certamente que nunca o será), sem um grau razoável de aceitação por parte dos intervenientes e será um falhanço inevitável com uma percentagem inequivocamente esmagadora contra ela.

De cedência em cedência até à incoerência total, até pode acontecer que se tapem uns buracos dos dois lados da barricada, por razões político-tácticas, e que a questão desapareça provisoriamente das agendas. A ministra ficará, os professores continuarão a pedir a reforma assim que possível e haverá um dia em que os alunos chegarão às faculdades de ciências sem saber que 2+2=4.

Mais um teste: é o último


Sou assim? Bem me parecia...

19.11.08

Uma enorme tristeza

...é o que me provoca, apesar de tudo, este espectáculo de Raúl Castro a cantar em chinês, durante a visita de Hu Jintao a Cuba.



Desleixo












Que ir a uma loja FNAC deixou de ser o prazer dos primeiros tempos para quem gosta de livros, já muitos explicaram porquê e nem vale a pena insistir.

Que se façam verdadeiros percursos inutilmente labirínticos, porque de vez em quando, tal como nos hipermercados, tudo muda de sítio é algo a que já me habituei, mas que continuo a não entender. Dizem-me que é por razões de marketing, parecem-me antes surtos de puro masoquismo contra clientes tratados como patetas.

Mas que os livros estejam, propositadamente, «arrumados» fora das prateleiras identificadas pelos respectivos letreiros, considero que vai já para além do admissível. Será ignorância minha, mas não considerava, até hoje, que Machado de Assis e Rubem Fonseca fossem património da Literatura Africana, não esperava ver L’inaperçu de Sylvie Germain classificado como espanhol, nem me tinha apercebido de que Sex and the City pertencia, afinal, à Literatura Francesa. Vá lá saber-se porquê, La Nausée de Sartre estava no local correcto.

Andava pelas redondezas um empregado e comuniquei-lhe a minha estranheza. Sorriu e encolheu os ombros. Fiz o mesmo e vim-me embora.

E para desanuviar

Voltem, são só seis mesitos...


18.11.08

Ela falou











Segunda a Lusa, Manuela Ferreira Leite terá perguntado hoje, a propósito da reforma do sistema de justiça, se «não é bom haver seis meses sem democracia» para «pôr tudo na ordem».

O que entenderá esta senhora por «sem democracia»??? É melhor que nem tente explicar! Estou a levar a questão para a ironia só para não comentar à bruta. Era o que me apeteceria fazer - se valesse a pena.

25 de Abril - Amnésia ou mentira?












«Se quisermos falar em termos psicanalíticos, amnésia e mentira são, aliás, a forma mais corrente e confortável de o regime democrático lidar com esse trauma ainda por resolver que é o 25 de Abril. Mesmo que o comemore, ou justamente porque o comemora, para mais facilmente o esquecer.»

De um texto de M. Manuela Cruzeiro.

17.11.08

Mau gosto - no mínimo

Só hoje li uma artigo publicado mo último número da revista Visão sobre Paulo Teixeira Pinto – O homem a quem tudo acontece – e ainda estou mais ou menos em estado de choque: um tablóide rasteiro ou uma revista cor-de-rosa das mais básicas dificilmente fariam pior.

Não se trata de uma entrevista e, assim sendo, nada me leva a crer, muito pelo contrário, que o visado tenha sido tido ou ouvido sobre o que foi publicado. Detalhar pormenores pessoais do velório de um filho de 22 anos que morreu há menos de duas semanas, fazer balanços de infortúnios e, sobretudo, descrever sintomas de uma doença (da qual se diz que o próprio «foi sempre evasivo, mesmo com os amigos») é, no mínimo, de um desmesurado mau gosto.

Vamos assim ficando indiferentes a um jornalismo chão, mesmo em revistas que nos habituaram a considerar como de referência.

(O artigo pode ser lido aqui.)

Reciclagens fáceis

João César das Neves deve ter umas luzes sobre teoria dos conjuntos e sabe muito bem que aquele que inclui quem defendeu planos quinquenais e ditadura do proletariado apenas intersecta o dos defensores de «aborto, eutanásia, divórcio e homossexualidade». Mas diz o contrário. É fácil baralhar para querer confundir, mas nós não somos todos completamente parvos. Nem reciclados. Nem achamos que «o futuro a Deus pertence» – por muito que ele assim o deseje.

«Na guerra civilizacional de hoje, também os que atacam a vida e a família se acham donos do futuro, menosprezando os opositores como fósseis. Também agora o progresso e a liberdade só se imaginam com aborto, eutanásia, divórcio e homossexualidade, como antes com plano quinquenal, ditadura do proletariado e cooperativas forçadas. Aliás, não só a retórica é semelhante, mas reencontramos nas batalhas os veteranos derrotados do dirigismo económico, reciclados em defensores da liberdade de costumes (...). Empresa e mercado eram instituições que, embora naturais, tinham e têm traços particulares controversos, que podiam e podem ser contestáveis. Mas vida e morte, família e casamento, sexo e amor não são elementos volúveis e discutíveis, ao sabor da opinião momentânea. Os novos progressistas escolheram para alvo de contestação traços fundamentais da natureza humana. Esquecem que o futuro a Deus pertence.»

16.11.08

O mal intrínseco

Se recordar é viver...

video

«Um partido do centro-direita com um pensamento nazi converteria esta democracia num parque de folguedos para o mundo inteiro»

«Vem isto ao caso quando vemos Manuela Ferreira Leite proclamar que "não pode ser a comunicação social a seleccionar aquilo que transmite". Bom, naquele tempo podia. O que não havia era garantia alguma sobre a extensão do que se podia transmitir. E eu, que conheci esses tempos durante alguns anos menos do que MFL, habituei-me a associar à ditadura a possibilidade de nos calar, mas nunca me ocorreu essa violência maior que teria sido pôr-nos a falar por ela. Claro que nunca a censura deixaria passar um "abaixo Salazar". Mas não há memória de ter querido que publicássemos um "viva Salazar" em nosso nome.

Bem me podem dizer que nem pensou o que disse. Eu sei. Se pensasse, até não era mau para o nosso combate ao tédio: um partido do centro-direita com um pensamento nazi converteria esta democracia num parque de folguedos para o mundo inteiro.»

Nuno Brederode Santos, no DN de hoje.