Páginas

6.11.10

Para reflexão, com Hu Jintao entre nós


Vale a pena ler esta crónica de Pedro Lomba, publicada no Público de 4 de Novembro (sem link):

Quem somos nós
Dentro de dias chega a Portugal o Presidente da China. Visita inédita, anunciada com um elogio em "diplomatiquês" às "relações bilaterais Portugal-China frutíferas em todos os domínios". Antevemos que a visita será lacrada com dúzia e meia de acordos de cooperação. Mas não é por aí que o tema ferve. Não existem viagens de Estado gratuitas e muito menos para a China. Tudo é business.

Se estiveram atentos aos saldos de Outono, repararam que a China tem andado num périplo frenético pelas economias mais endividadas da Europa. Irlanda, Itália e, há já algum tempo, Grécia. Este interesse nem sequer é recente, mas a aflição dos últimos tempos, sobretudo em Portugal e Grécia, subiu os descontos. Repararam que a China tem prometido comprar mais dívida pública grega. Agora somos nós a estar na berlinda, pois a China manifestou interesse em comprar dívida portuguesa. "Temos vontade em participar nos esforços dos países europeus para recuperar da crise", disse a responsável chinesa para as relações com a Europa.

Agradeçam mas desconfiem. Para nós, vender dívida é opção irrecusável. Haja quem nos compre e de permeio nos financie. Para a China, que tem o armazém cheio de reservas, comprar dívida soberana dos Estados doentes da Europa "ainda" significa arrecadar "risco euro". O casamento parece perfeito. Mas para os chineses tudo isto implica certamente outras consequências políticas.


Debate Soares / Cunhal (6/11/1975) retransmitido hoje


Às 21h na RTP Memória, na íntegra.
Estarão em estúdio os entrevistadores: Joaquim Letria e José Carlos Megre.
...

Pela representação portuguesa na cerimónia de entrega do Nobel da Paz a Liu Xiaobo


Encontra-se online desde ontem uma Petição, agora em fase de recolha de assinaturas.
(As notícias a que o texto se refere podem ser lidas por exemplo aqui.)

Ao Presidente da República Portuguesa, Ao Presidente da Assembleia da República, Ao Primeiro-Ministro e membros do Governo

Os signatários saúdam como uma boa notícia para a causa global da defesa e extensão das liberdades e direitos democráticos em todo o mundo a atribuição do Prémio Nobel da Paz a Liu Xiaobo.

Sendo assim, e perante as notícias difundidas nas últimas semanas dando conta das pressões exercidas pela diplomacia chinesa junto das autoridades de diversos outros países em vista de estes não se fazerem representar na cerimónia da entrega do Prémio Nobel da Paz a Liu Xiaobo, chamam a atenção da Presidência da República Portuguesa, da Assembleia da República e do Governo para o facto de que a eventual ausência de representação da República na referida cerimónia equivaleria a uma capitulação intolerável perante as pressões das autoridades chinesas. Por isso, exigem que Portugal esteja oficialmente representado em Oslo, saudando o Nobel da Paz Liu Xiaobo.

A Petição pode ser assinada aqui.
...

«Nuestros hermanos» à espera do papa (3)


«Durante el vuelo, el Sumo pontífice se ha mostrado preocupado por la existencia en España de un "laicismo agresivo" y ha establecido una relación directa entre el actual choque entre fe y laicismo en la España de Zapatero y el anticlericalismo de la Segunda República, durante los años treinta.»

Que tal uma nova Guerra Civil?
...

Número redondo


É um ritual de que não prescindo: recordar o frente-a-frente entre Soares e Cunhal, em 6 de Novembro de 1975, a pouco mais de duas semanas do fim do PREC. O país parou para os ouvir, durante quase quatro horas - inimaginável 35 anos depois!.

Dessa noite, ficou para a história uma frase com que Cunhal respondeu a Soares quando este afirmou que o PC dava provas de querer transformar Portugal numa ditadura: «Olhe que não! Olhe que não!»




Texto com alguns excertos do que foi dito:


De: Adelino Gomes e José Pedro Castanheira, Os dias loucos do PREC, Expresso / Público, Lisboa, 2006, pp. 382-383.
...

Pluralismo na RTP1


Tendo tido conhecimento da Petição pelo pluralismo de opinião no debate político-económico, e sensibilizado pelas questões que a mesma suscita, o Provedor do Telespectador da RTP, Paquete de Oliveira, entendeu dedicar a próxima emissão do programa «A Voz do Cidadão» a esta iniciativa.

O programa será emitido na RTP1 hoje, Sábado (6/11), a partir das 21.00h, e no Domingo, na RTP2, às 14.45h.
...

5.11.10

«Nuestros hermanos» à espera do papa (2)

...

«Nuestros hermanos» à espera do papa


Multiplicam-se as manifestações contra a visita do Papa à Galiza e à Catalunha, mais concretamente a Santiago de Compostela e a Barcelona. Contra gastos, sobre posições em termos de moral e costumes, em nome de exigências de laicidade.

Ontem, realizou-se em Santiago de Compostela uma concentração que acabou em confrontos com a polícia, outra reuniu cerca de 3.000 pessoas em Barcelona.

Muitas mais estão previstas, bem como festas (Habemus Party), encontro de mulheres «depravadas» e «pecadoras», uma conferência sobre «A Santa Máfia: o Império Económico da Igreja» e a já muita noticiada manifestação de beijos de pelo menos 500 casais hetero e hoossexuais (Queer Kissing Flashmob) . Esta última com página no Facebook, há alguns dias censurada e agora reaberta,  onde se pode ler: «Domingo 07 de Noviembre 2010 9:00 de la mañana - Plaza de la Catedral. Darse un beso durante dos minutos al paso del Papa por la Catedral. No pancartas, no banderas, no gritos, no consignas. Sólo se admiten besos.»

A plataforma «Jo no t’espero», que integra sessenta entidades, vem a preparar este conjunto de acções desde Julho e está a distribuir material de todo o tipo: panos, bandeirolas, fotografias, pins, etc., etc. Nenhum boicote previsto, apenas manifestações pacíficas.

Bem significativas, portanto, estas mobilizações de galegos e de catalães, que não tiveram qualquer contrapartida quando Bento XVI por aqui andou. Shame on us!

Diferente também a participação dos nossos queridos chefes: enquanto Sócrates assistiu à missa do papa no Terreiro do Paço, Zapatero não vai participar em nenhuma cerimónia religiosa e apenas se encontrará com Bento XVI no aeroporto de Barcelona, antes de este regressar a casa.

As diferenças que merecemos.
...

É que não gosto mesmo nada de me sentir gozada


A proposta de estatutos para a Fundação Côa Parque «prevê um conselho de administração com sete membros, todos de nomeação política e em regime de exclusividade, além de um conselho geral e de um conselho consultivo com dez elementos cada um.»

Ainda que a missão destas pessoas exceda a gestão do museu propriamente dito e mesmo que este número de tachos (porque é de disso que se trata!) venha a ser diminuído, não há nada que justifique uma decisão que não vem do tempo de vacas gordas (e que viesse!...), mas sim do ano passado, já em plena crise escandalosamente escondida debaixo de tapetes, inaugurações e gritos de vitória.

Quantos casos destes existirão? Sabe-se lá!

(Fonte)
...

As Cidades e as Praças (31)



Praça da Câmara Municipal, Copenhaga (1980)
...
...

4.11.10

Mário Soares, esse vampiro


Ninguém é obrigado a entronizar Mário Soares, a emprestar-lhe as chaves de casa ou a comprar-lhe um carro em segunda mão. Mas o retrato que dele pinta José Casanova, em artigo de opinião hoje publicado no Avante! é absolutamente aterrador. De meter medo a criancinhas em hora de ir para a cama.

«Vale a pena lembrar – quanto mais não seja para que não caia no esquecimento – que Soares é um dos grandes responsáveis pelo desastre nacional a que a política de direita conduziu o País. Foi ele que a iniciou em 1976, dando os primeiros passos da ofensiva contra-revolucionária que, de então para cá, todos os governos prosseguiram, com raivosos ataques às conquistas da Revolução de Abril; chamando para aqui o FMI (e correndo de cá com o MFA...), e enfiando a cabeça no cepo da UE; roubando aos trabalhadores e ao povo direitos fundamentais alcançados pela luta e consagrados nas leis de Abril; recorrendo á repressão brutal sobre as massas trabalhadoras; tirando o poder ao povo e colocando-o nas garras dos grandes grupos económicos e financeiros (quer dos que haviam sido sustentáculo do fascismo quer dos que a política de recuperação capitalista viria a criar); fazendo a vida num inferno aos trabalhadores e oferendo o paraíso ao grande capital; rasgando e espezinhando a Lei Fundamental do País e entregando a soberania e a independência nacional ao imperialismo norte-americano e à sua sucursal que dá pelo nome de União Europeia.»
...
...

Sempre demos luzes ao mundo, com a casa mais ou menos às escuras


Em poucos dias: mais um, depois de outro.

Dúvida: estaria Portugal em melhor estado se um destes senhores fosse Ministro das Finanças? Primeiro-Ministro?
...
..

And the winner will be?


«A embaixada chinesa em Oslo enviou cartas oficiais a várias embaixadas europeias na Noruega a pedir para as mesmas não se fazerem representar na cerimónia de entrega do Nobel da Paz a Liu Xiaobo, agendada para 10 de Dezembro» e «nas últimas semanas em Pequim, diversos diplomatas de diferentes países foram chamados para encontros com oficiais chineses, que lhes endereçaram pedidos semelhantes aos constantes das cartas da embaixada chinesa na Noruega».

Telenovela a seguir com interesse até ao seu desfecho, sem que me passe pela cabeça que a sessão venha a ser anulada: registaríamos, nesse caso, um verdadeiro salto civilizacional.

Mas será interessante assinalar presenças e ausências em Oslo, com uma especial atenção para a agenda do nosso bem-Amado e seus representantes.

É já depois de amanhã que o presidente Hu Jintao chega a Lisboa, em visita oficial de dois dias, e entre promessas de uns trocos para comprar a dívida portuguesa, e outras de importar umas toneladas de rolhas, é bem possível que, algures num corredor de Belém, seja sussurrado o nome de Liu Xiaobo como se do lobo mau se tratasse.

(Fonte)
...
...

3.11.10

Mais pressões precisam-se


Sabe-se já que Sakineh Ashtiani não foi executada hoje e tudo leva a crer que «a comunidade internacional teve um papel para que esta mulher de 43 anos ainda esteja viva».

Bernard-Henri Lévy, escritor e filósofo francês, desde há muito activíssimo na defesa desta causa, escreveu hoje mais um texto em que sublinha, precisamente, o que parece ter sido efeito das pressões internacionais:

«Portanto, o Irão recua. A República islâmica fá-lo à sua maneira, tortuosa, mas recua. É o que ressalta das tomadas de posição tornadas públicas esta manhã, depois um novo adiamento concedido a Sakineh sob a pressão das opiniões e das embaixadas. (…)

Feliz mobilização que permitiu, de facto, tornar a cara de Sakineh um ícone mundial, um símbolo e assim diferir, para já, a data anunciada para a sua morte! Para nós, obviamente, o combate continua. Continua mesmo mais do que nunca. Porque um adiamento não é um perdão. E a execução da sentença pode acontecer, infelizmente, de um momento para o outro. A pressão deve assim continuar. (...)

Não desarmemos. Continuemos "insolentes".»
Texto na íntegra aqui.

Uma das formas de acção possível, muito difundida neste momento no Facebook, é o envio de mails através deste link.
...
...

Cavaco, Leite e Freddy Kruger


Ecos na AR, em crónica de um fingimento.
,,,
,,,

Conselhos úteis (3) – Sanidade mental


«Não estrague o resto do seu dia, apague a televisão»
...
...

Alô, mercados?!



O que ainda não percebi é se alguém acreditou realmente que aconteceria o contrário, conhecendo à partida os jogadores em campo e depois de tudo a que nós assistimos – e os olheiros dos mercados também – durante o edificante diálogo entre governo e PSD para o acordo eternizado na ridícula foto de telemóvel.

Mais: as transmissões em directo da AR são assassinas e o que foi ontem exibido deve ter sido mais prejudicial para o país do que umas décimas de prevaricação no deficit! Calor no debate, normal em arenas deste tipo? Não: comportamento puramente inaceitável de PS e PSD.

Isto tudo, obviamente, assumindo, erradamente, que a opção correcta é desenhar orçamentos em função dos mercados e não acreditar, como Paul Krugman, que o que estes pretendem é «dinheiro para cocaína e prostitutas».

(Acesso ao texto de PK via Ladrões de Bicicletas)
...
...

Petição pelo pluralismo de opinião no debate político-económico – Comunicado à imprensa


Foi enviado no passado dia 30 de Outubro. Mais notícias em breve.

Preocupados com os termos em que tem sido realizada a discussão mediática das opções económicas do país, um conjunto de cidadãos aderiu à Petição pelo pluralismo de opinião no debate político-económico, cujo conteúdo e lista de signatários se envia em anexo.

Lançada a 5 de Outubro de 2010, a petição reuniu mais de 1000 assinaturas na primeira semana, dando assim eco à percepção da existência de um discurso tendencialmente monolítico e redundante no comentário político-económico, tanto em espaços noticiosos como em programas específicos de análise económica. Situação que se revela particularmente expressiva nos canais televisivos, que constituem os meios de comunicação de massas por excelência.

Perante a situação em que o país se encontra, os peticionários consideram que este estreitamento dos termos do debate empobrece de modo muito preocupante a discussão pública das opções em jogo, não espelhando o debate entre diferentes correntes, que atravessa o próprio pensamento económico. Trata-se, por isso, de uma limitação no acesso da opinião pública a visões plurais sobre a actualidade económica, que nega o papel intrínseco de intermediação dos meios de comunicação social.

A petição foi subscrita por personalidades de diversas áreas, da Economia ao Jornalismo, das Artes ao mundo académico. Entre os promotores e peticionários constam André Freire, António Pinho Vargas, Cláudio Teixeira, Daniel Oliveira, Diana Andringa, Isabel do Carmo, Joana Amaral Dias, Joana Lopes, João Galamba, João Rodrigues, José Leitão, José Manuel Pureza, José Maria Castro Caldas, José Reis, Luís Salgado de Matos, Luísa Costa Gomes, Maria Manuela Cruzeiro, Mário Brochado Coelho, Miguel Cardina, Nuno Serra, Paula Godinho, Raimundo Narciso, Rui Bebiano, Rui Tavares, Sandra Monteiro e Vítor Dias.

Exigindo o pluralismo de opinião no debate político económico nos meios de comunicação social, a petição foi remetida às direcções de informação dos diferentes canais de televisão, a responsáveis por programas de análise político-económica e aos meios de comunicação social em geral, sendo igualmente dado conhecimento da mesma aos Grupos Parlamentares e à Alta Autoridade para a Comunicação Social (ERC).

Lisboa, 30 de Outubro de 2010
...
...

As Cidades e as Praças (30)




Praça do Palácio Real, Phnom Penh (2009)
...
...

2.11.10

Heranças


«Mas a grande contribuição de seis anos de governo do PS para a arrumação das forças no espectro partidário é que a chamada direita fica maioritária nas intenções de voto em relação á chamada esquerda. E para este contributo muito contribuiu, para além da política concreta do PS, a tibieza com que o partido do governo encarou a atacou a eleição presidencial: deixando correr a incerteza sobre a sua opção, até que a candidatura oposta se perfilasse como a única com perspectiva de vitória. Resumindo e concluindo: a herança da esquerda tipo Sócrates para a arrumação das forças políticas será a vitória de Cavaco Silva nas presidenciais e uma próxima vitória do PSD nas legislativas. O PS vai conseguir dar á direita o que Sá Carneiro não conseguiu: uma maioria, um governo, um presidente.»
João Paulo Guerra, no Económico

Les jeux ne sont pas faits, mas tudo aponta no sentido que o texto indica. Se assim for, não será o fim da história, nem sequer o deste país. Parafraseando já nem exactamente quem, a situação é  certamente desesperada, mas pode ser que não seja grave. Melhores tempos virão e cá estaremos para lutar por eles.
...
...

Estratégia do diferido


«Outra maneira de se fazer aceitar uma decisão impopular é a de apresentá-la como sendo “dolorosa e necessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente. Em seguida, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para acostumar-se com a ideia de mudança e aceitá-la com resignação quando chegue o momento.»

Uma das 10 Estratégias de Manipulação Mediática, explicadas por Noam Chomsky.

(Daqui.)
...
...

Emprego, dizem eles!


E «eles» é, neste caso, Dominique Strauss-Kahn, director-geral do FMI, que responsabiliza «a crise» pela destruição de 30 milhões de empregos e diz que a criação de novos são agora a primeira, a segunda e a terceira de todas as prioridades. Como se não estivéssemos a assistir exactamente ao inverso, a imposições draconianas que resultam em mais e mais destruições de postos de trabalho.

Ou pretende-se que gritemos «FMI amigo!» contra os tais monstros sem rosto a que se convencionou chamar «mercados»? Nada disto faz sentido – ou faz, desgraçadamente. E eu só tenho pena de que me tenham educado sem usar palavrões.

A ler:
«Eliminemos o povo para cumprirmos melhor os tratados.»
...
...

Sakineh Ashtiani pode ser executada amanhã


De acordo com notícias recebidas pelo the International Committee against Stoning and International Committee against Execution, as autoridades de Teerão deram luz verde para a execução de Sakineh Ashtiani, que terá lugar amanhã, 3 de Novembro.

Notícia completa e acções sugeridas aqui.
...
...

1.11.10

Um testemunho impressionante


Na manhã de 17 de Abril de 1975, Denise Affonço saiu de casa normalmente para mais um dia de trabalho na embaixada francesa em Phnom Penh. Culta, com 31 anos, era filha de pai francês, de ascendência vagamente portuguesa, e de mãe vietnamita. Era casada com Seng, chinês e comunista convicto, que ansiava pela chegada à capital dos khmers vermelhos que ocupavam já uma grande parte do Cambodja.

Convém recordar que a receptividade em relação aos que viriam a ser responsáveis por um dos maiores genocídios dos nossos tempos se ficou a dever, em grade parte, ao facto de terem surgido na sequência da reacção a um outro terrível crime contra a humanidade de que pouco se fala: o lançamento de 540.000 toneladas de bombas, ordenado por Nixon e Kissinger, entre 1969 e 1973, com o pretexto de atacar estradas e enclaves do Vietname do Norte em terras cambojanas.

Na embaixada francesa, já tinham tentado convencer Denise a sair do país com os dois filhos, mas ela foi ficando, em parte pelo entusiasmo e influência do marido. Até que, na tal manhã de Abril, os disparos fizeram com que regressasse a casa, não sem antes ter avistado os primeiros soldados «libertadores»: muito jovens, quase crianças de catorze ou quinze anos, vestidos de negro e com lenços branco e vermelho ao pescoço, sandálias feitas de restos de pneus.

Convencidos de que nem a revolução soviética nem a chinesa tinham sido suficientemente radicais, de um dia para o outro, Pol Pot e os seus seguidores aboliram dinheiro, transacções comerciais, documentos de identificação, encerraram escolas e universidades, eliminaram livros sem conteúdo revolucionário, proibiram línguas estrangeiras, expulsaram as pessoas de suas casas, etc., etc., etc.

O resto da história é conhecido: em menos de quatro anos, entre 1975 e 1979, o mundo assistiu, mais ou menos indiferente, ao maior genocídio do século XX, em termos percentuais - cerca de 25% da população cambojana foi pura e simplesmente eliminada. Quando alguns fugitivos contavam as suas histórias, as esquerdas consideravam-nos ao serviço do imperialismo e os Estados Unidos e seus aliados calavam-se porque a China, que sempre apoiou os khmers vermelhos, funcionava como contrapeso à URSS, em tempos de guerra fria.

Denise Affonço sobreviveu quatro anos, viu morrer a filha, alimentou-se de raízes, de formigas, roubou aos cães os restos de comida dos senhores da guerra. Diz que a sua maior surpresa não foi sobreviver, mas perceber que ninguém queria ouvir o que tinha para contar. Por isso o relatou em livro, publicado em Portugal em 2009, que eu tinha em casa mas que só agora li: No Inferno dos Khmer Vermelhos. Testemunho de uma sobrevivente, 2009, Pedra da Lua, 182 p.

(Foi um texto de Antonio Muñoz Molina, no Babelia do último Sábado, que me fez recordar a existência desta obra que eu tinha algures numa prateleira mais ou menos anárquica.)

Em 2009, Denise Affonço esteve em Lisboa e deu à Antena 1 esta entrevista que merece ser ouvida:


...
...

Do bom gosto

...

...
...

Números impressionantes


Começa hoje o recenseamento da população, que se realiza na China de dez em dez anos. Em 2000, foram contabilizadas cerca de 1.295 milhões de pessoas, estima-se que esse número tenha subido para 1.330 milhões em 2009, mas vai-se agora não só confirmá-lo ou não, como avaliar o impacto de algumas questões cruciais para o país, por exemplo a migração em massa do campo para as cidades.

Serão provavelmente 200 milhões os implicados neste verdadeiro êxodo, mas o facto de muitos se encontrarem em situação ilegal dificultará a tarefa dos recenseadores. Outra razão de receio reside na existência de segundos e terceiros filhos clandestinos, em famílias que não respeitaram a política do filho único.

Para levar a bom termo este gigantesco trabalho, estarão a trabalhar 6,5 milhões de funcionários públicos (mais de meio Portugal…) que visitarão 400 milhões de residências, num período de dez dias.

Estamos perante uma escala que nos transporta para um outro universo, cuja compreensão não pode deixar de nos escapar, pelo menos parcialmente.

Fonte, entre outras.
...
...

A lógica insustentável da austeridade recessiva


«As políticas de contenção orçamental acelerada pretendem precisamente gerar efeitos recessivos, aumentar as desigualdades e asfixiar o Estado social. Por José M. Castro Caldas.

Dizer da contenção orçamental acelerada que ela encerra o risco de nova recessão, de aumento das desigualdades e de asfixia do estado social, sendo verdade, é uma caracterização enganadora das políticas de austeridade recessiva. A questão não é apenas “o risco” que elas encerram mas antes a sua intenção. As políticas de contenção orçamental acelerada pretendem precisamente gerar efeitos recessivos, aumentar as desigualdades e asfixiar o Estado social. Pretendem e provavelmente conseguem.

Qual é a lógica? Induzir a descida dos salários em termos nominais e reais, para reduzir o consumo, o preço dos bens e serviços de exportação e atrair capitais. Supõem que se isto acontecesse o desequilíbrio da balança de bens e serviços seria corrigido, as necessidades de financiamento externo diminuiriam, obtendo-se deste modo o que a desvalorização cambial que deixou de ser possível permitia alcançar no passado.

A descida dos salários pretendida não é apenas a dos salários da administração pública. Essa descida pode ser obtida por decreto. Já a outra, a do sector privado, é mais difícil. Mas pode ser conseguida com a influência que as decisões salariais na administração pública têm no sector privado, com mais desemprego, uma menor duração e montante das prestações sociais de apoio aos desempregados e a retirada de outros apoios sociais. Com mais desemprego e menos protecção os trabalhadores seriam obrigados a aceitar trabalhar por menos dinheiro. A isto chamam eles com enorme desfaçatez “políticas que tornam o trabalho compensador”.»

(Continuar a ler.)
...
...

As Cidades e as Praças (29)



Praça das Armas, Luxemburgo (1987)
...
...

31.10.10

Conselhos úteis (2) – Cepticismo


«Não acredite em todas as verdades, nem duvide de todas as mentiras.»
...
...

Já que a revolução parece adiada…


… Cohn-Bendit torna-se comentador televisivo de futebol e prepara um filme sobre o próximo Campeonato do Mundo de 2014. Sem «desertar da arena política», avisa.

Com jeito, ainda chega a presidente da França.

(Fonte)
...
...

And the show goes on


«El Corte Inglés» distribuiu ontem gratuitamente com o Público, pelo menos em Lisboa, um verdadeiro livro de 260 páginas com a oferta de brinquedos para o Natal de 2010.

«Realizar os sonhos deles custa muito pouco», diz-se em título. Basta folhear o catálogo para perceber que não é tanto assim, mas um mergulho visual no andar respectivo do edifício do Bairro Azul, a partir das escadas rolantes que me traziam do andar superior, foi o suficiente para perceber que nem a chuva reteve em casa uma multidão de pais, avós e padrinhos, receosos de não poderem escolher antes que os stocks esgotem. Porque é mais do que garantido que nem a «Caravana super férias da Barbie», por 75 euros, nem mesmo o «Ferrari F1 carrinho de pedais», que custa 149,95, chegarão a Dezembro.

Tudo isto é absolutamente insensato, as crianças nem conseguem brincar com o que recebem, mas ninguém resiste - por mim falo. De ano para ano, a oferta cresce em espiral, as televisões bombardeiam os miúdos com anúncios (experimentem ver um canal infantil…), o que se passa hoje pouco tem a ver com a infância dos nossos filhos, mesmo que estes tenham agora apenas trinta e poucos anos.

Claro que só uma pequena percentagem da população vai ao Corte Inglés, mas o espectáculo multiplica-se por essas cidades fora, mais euro menos euro em cada brinquedo. E tudo irá parar a pequenos contentores de plástico no canto de um quarto, já a abarrotar com restos de outros natais e não só.

Realidade chocante, e sobretudo deseducativa, para gerações que terão de se habituar a viver com muito menos do que as dos seus pais e avós. Mas, no fundo dos fundos, alguém acredita realmente nisso? Claro que não!
...
...

Que las hay


Clique aqui e siga as instruções.
...
...