28.4.12

Faria hoje 123 anitos


@João Abel Manta


Viveu 81 anos a mais e prefiro recordá-lo assim:


.

E foi para esta farsa que se fez a revolução de Abril?



 Termidor Errado

IX
E foi para esta farsa
que se fez a revolução de Abril, capitães,
ao som das canções de Lopes-Graça?
Foi para voltar à fúria dos cães,
ao suor triste das ceifeiras nas searas,

as espingardas que matam os filhos as mães

num arder de lágrimas na cara?

E, no entanto,

no princípio, todos ouvíamos uma Voz

a dizer-nos que a nossa terra poderia tornar-se num pomar

de misteriosos pomos.

E nós,

todos nós, chegámos a pensar

que éramos maiores do que somos.


José Gomes Ferreira, A Poesia Continua, velhas e novas circunstanciais, 1981

(Via Rita Veloso no Facebook)
(Imagem e texto: Centro de Documentação 25 Abril)

Aux Armes, etc.



.

Se uma andorinha não faz a Primavera, duas pessoas já fazem uma manifestação


@João Abel Manta

A propósito da constituição em arguida de uma activista do Movimento Sem Trabalho, a porta-voz da PSP afirmou ontem que «duas pessoas já fazem uma manifestação» e que «qualquer manifestação tem de ser comunicada à Câmara Municipal». 

Alegou basear-se num Decreto-Lei de 1974 (406/74) e num parecer da Procuradoria-Geral da República de 1989. Este parecer não está disponível online, pelo que não sei por que motivo foi elaborado e de que contexto foi retirada a frase que Carla Duarte cita, mas o Decreto-Lei de 74 é totalmente contrário, no espírito e na forma, à sua utilização neste caso, nomeadamente porque nunca especifica qualquer número mínimo ou máximos de pessoas em manifestações. 

Mais: certamente que, na Escola Superior da Polícia, não se ignora a existência da Constituição Portuguesa de 1976, em cujo Artigo 45º é expressamente dito que «Os cidadãos têm o direito de se reunir, pacificamente e sem armas, mesmo em lugares abertos ao público, sem necessidade de qualquer autorização» e que «A todos os cidadãos é reconhecido o direito de manifestação». Portanto, esta agente policial e os seus superiores ignoram a lei fundamental que nos rege e agem em conformidade. 

Leio, na notícia do Expresso, que a arguida vai proceder criminalmente a PSP por esta actuação, e fico, sem esperança, à espera do resultado. 

Claro que vêm inevitavelmente à lembrança os 48 anos de ditadura. E que se acautele quem continua a apregoar que temos uma democracia sólida e garantida porque existe liberdade (esquecendo que a solidariedade já se foi…): (ainda?) temos eleições livres e liberdade de expressão, o direito de reunião está já a ser criminalizado.

P.S.1 – Um leitor deixou em comentário o link para o tal parecer da Procuradoria-Geral da República, em cujo texto não encontrei qualquer referência que permitisse concluir que «duas pessoas já fazem uma manifestação»

P.S.2 - Recebi hoje (30/4), por mail, o seguinte esclarecimento que transcrevo:


27.4.12

Várias interpretações possíveis

Donos de Portugal




Aqui fica o documentário, na íntegra, para quem não o viu na RTP (que, «simpaticamente», o passou na madrugada do dia 25, depois das 2:00 am…).

.

25 de Abril, de vez em quando



Quantos mais dias passam, e mais comentadores oiço, mais acertada me parece a decisão dos que renunciaram ao convite para assistirem à sessão comemorativa do 38º aniversário do 25 de Abril na Assembleia da República. Sentimento reforçado quando recordo o conteúdo e a forma do discurso de Cavaco. Hoje, li a melhor «análise» que lhe foi feita – porque mais vale rir…

«Se o discurso do Presidente da República, de comemoração do 25 de Abril, tinha como temas centrais a - nanotecnologia, telemóveis 4G e o Twitter - o Vasco Lourenço não ia lá fazer nada. Na Associação 25 de Abril só têm um furriel que percebe umas coisas de informática. 

Cavaco conseguiu enfiar - nanotecnologia e 25 Abril de 74 - no mesmo discurso. Foi a primeira homenagem a uma revolução que incluiu uma menção a cartões pré-pagos de telemóvel. Estou ansioso por ouvir o discurso do 1 de Maio sobre domótica. 

O Presidente disse que "na rede Twitter, o português é a terceira língua mais utilizada". É verdade, mas é quase tudo para dizer mal dele. O Presidente falou de portugueses com sucesso lá fora, como: João Salaviza, Joana Vasconcelos, Miguel Gomes. Foi o momento RTP2 de Aníbal. Temos que colocar a hipótese de Cavaco se ter enganado e ter lido o discurso que tinha guardado para a António Arroio. (…) 

O nosso primeiro dever é o dever de explicar Portugal ao mundo e deixar o mundo impressionado. Em cada portuguesa, uma guia de turismo. Em cada português, um Zezé Camarinha. » 

Na íntegra aqui.
.

Miguel Portas sobre a Escola da Fontinha



Miguel Portas, 19 de Abril, numa das suas últimas afirmações no Facebook (*):

«A Es.Col.A da Fontinha, que tem um trabalho mais do que meritório com a população do bairro, está a ser despejada à bruta por uma cruzada de políticos idiotas. Que todas as boas vontades se juntem contra a estupidez. Já.» 

Ontem, a Escola ficou assim. Venceram os políticos idiotas – para já. 

(*) Citado aqui.
.

Nunca fica tudo dito



Um belíssimo texto de Francisco Louçã, divulgado ontem à noite no Facebook. 

Quando me contou que ia começar mais uma série de quimioterapia agressiva, o Miguel escreveu-me que “o bicho voltou mas eu ainda não disse a última palavra”. Era uma conversa entre nós – e todos os seus amigos terão estes momentos e estas conversas para recordar, cada um à sua maneira –, por causa de uma citação de Ernst Bloch, “ninguém tem a última palavra”. Um de nós, qual foi nem importa, tinha-a usado uma vez numa convenção do Bloco, nunca ninguém tem a última palavra. É uma lição de humildade e de humanidade, nunca ninguém tem a última palavra. E repetimo-la muitas vezes, os dois, já nos ouviram a dizer isto, lembram-se? 

Eu ainda não disse a última palavra, disse ele. Nem o cancro. Ninguém tem nunca a última palavra. Fica sempre alguma coisa por dizer, há sempre alguém que dirá mais. Nunca fica tudo dito. 

Do Miguel também não. Dos seus defeitos, que “quem nunca se arrepende ou é santo ou é tonto”, escreveu ele. Irritável como romântico, como se pode ser as duas coisas? Sorridente e ansioso, como se pode viver das duas maneiras? Das suas qualidades, a curiosidade, a abertura, a busca incessante de caminhos, as contradições sofridas, sobretudo a ternura. Uma alegria contagiante quando era. Tristeza quando não era, são assim os românticos, e nunca me digam que o romantismo não é belíssimo. Ninguém tem nunca a última palavra. 

Nem com o que dele disseram. O Presidente da República e o Primeiro-ministro, seus adversários em eleições em que se empenhou, que foram correctíssimos, como o presidente do Governo Regional dos Açores. A Presidente da Assembleia da República, em mensagens de sensibilidade tocante. Os partidos políticos, todos e de todos os quadrantes, os eurodeputados, a CGTP, associações tantas, pessoas imensas. Todos, sabendo que não diriam a última palavra. Partidos europeus, a Polisário, tantos dos seus amigos do Médio Oriente. Todos. 

Os que desfilaram no 25 de Abril na Avenida da Liberdade, fiéis ao que somos. Todos. 

Palavras a mais, sim, também houve. A do presidente do Parlamento Europeu, que se disse espantado por não imaginar que o Miguel tivesse criado tantas amizades naquele parlamento, que não é propriamente lugar de sensibilidades. Ninguém tem a última palavra, senhor Martin Schulz, talvez tenha aprendido alguma coisa. 

Fica sempre alguma coisa por dizer. Da viagem que faltava. Do gosto de ter os filhos a seu lado para continuar sempre a aprender a ser pai. Do livro que ficou por fazer, sobre a Europa. Do arroz de pato. Da banda desenhada, do Corto Maltese ao Bilal, quem desenha o quê? Do amor das coisas simples, como dele dizia Assunção Esteves. Da esperança a contar os dias até às eleições francesas e gregas. Da sua última viagem a Atenas, para ajudar quem luta. Nunca ninguém tem a última palavra, Miguel. 

Foto de Paulete Matos 
.

Hoje à tarde

(Clicar para ler)
.

26.4.12

A poucas horas da liberdade (26/4/1974)













..

Um fantasma corre na Europa – A carência alimentar


Um texto de Isabel do Carmo, enviado pela autora para publicação neste blogue (originalmente no Público de 11/4/2012, sem link). 

A crise e a austeridade têm os seus aspectos concretos que atingem aqueles a quem a desigualdade coloca nas escalas intermédias e baixas. Calcula-se que 33 milhões de europeus estejam em risco de carência alimentar. Entre eles estão com certeza alguns milhões dos países periféricos, como o nosso, onde a crise é mais profunda. 

Em língua inglesa e nos documentos internacionais tem sido usado o termo malnutrition, que em português técnico tem sido traduzido por malnutrição, mas que poderia ser expresso pela palavra má-nutrição. Este termo significa que o corpo humano não recebe quantidade suficiente de energia (calorias) ou proteínas ou vitaminas ou sais minerais para manter a saúde e o normal funcionamento dos órgãos. Ora acontece que numa região como a europeia, as pessoas podem ter acesso às calorias suficientes ou até excessivas, mas não terem proteínas ou vitaminas ou sais minerais nas quantidades de que o corpo necessita. Isto resulta de não terem acesso aos alimentos que os integram. 

Vem à cabeça o ferro, o mineral de que há mais carência nas pessoas dos países desenvolvidos. E seguem-se o cálcio, a vitamina D, as vitaminas do complexo B, a vitamina C, o zinco, o iodo. Espantosamente, em Portugal, um país de mar, a equipe do Professor Limbert do IPO de Lisboa, tem provado a carência de iodo em largas amostras de mulheres grávidas. 

Tal como diz o Dr. Olle Ljungqvist, um dos investigadores que se tem dedicado ao assunto da desnutrição na Europa, a má-nutrição não é um espectáculo das ruas da Europa. É um problema oculto dentro de casa e nas residências de acolhimento. É a ponta do icebergue de um sério problema de saúde. Os idosos e as pessoas que vivem isoladas são os que correm maior risco. 

Calcula-se que 25% das pessoas admitidas nos hospitais europeus por qualquer doença, estão malnutridas ou em risco de má-nutrição. Na desenvolvida Suécia um estudo revelou que 15% das pessoas dos 75 aos 80 anos vivendo em casa, estão em risco de má-nutrição. 

No Reino Unido e na Holanda estudos em larga escala mostraram que 1 em cada 4 indivíduos que são hospitalizados sofrem de má-nutrição. 

Calcula-se que no Reino Unido 3 milhões de pessoas sofrem de má-nutrição. E como esse é um país onde estas coisas são vistas com atenção científica, calcula-se também que os custos com o tratamento das doenças relacionadas com a má-nutrição são de 15 milhares de milhões de euros. Ou seja, não se previne a situação social antes, para vir a gastar muito mais depois. 


Má-Nutrição. Sociedade Doente 

De facto a má-nutrição é causa de doença: vulnerabilidade para as infecções por baixa imunidade, prolongamento das doenças e das convalescenças, dificuldade de cicatrização de feridas de doenças crónicas, maiores tempos de hospitalização, cansaço no trabalho, gravidezes com défices, partos prematuros, dificuldades no crescimento e desenvolvimento de crianças e jovens. 

Não, não estamos perante o quadro confrangedor da fome das populações africanas. Estamos perante um quadro subreptício, larvar, escondido, que corrói o tecido social, diminui a energia da sociedade, afecta o trabalho e a reactividade humanas. 

Algumas estruturas oficiais europeias têm chamado a atenção para o problema e nomeadamente aquando da Presidência Europeia na Polónia em 2011 representantes do Parlamento Europeu e de sociedades científicas e profissionais elaboraram um documento de chamada de atenção para todos os governos europeus. Todavia os governos europeus têm tido outras preocupações – o défice, os bancos e a sua própria elegibilidade. 

E em Portugal o que é que se passa? Para já, nem sabemos o que é que se passa, porque apenas estudos localizados nos dão alguma ideia das carências específicas. Mas sabemos que, de acordo com a informação do Ministério da Saúde, a propósito dos isentos de taxas moderadoras, 5 milhões e 200 mil pessoas acima dos 12 anos pertencem a agregados familiares com uma soma total média mensal de 623 euros ou menos. Está tudo dito. 

Os idosos que, sozinhos em casa, se alimentam de chá, algum leite, pão, margarina e bolachas, não têm fome. Mas de facto têm fome de muita coisa. Por causa disso terão pseudo-demências e terão facilmente infecções respiratórias. Vão até ao hospital onde não lhes faltarão antibióticos e soro. Saem de lá tratados, mas debilitados. E voltarão e voltarão. Até que, numa derradeira vez, irão para ficar – os nossos hospitais são o nosso rio Ganges. Estes nossos idosos não têm energia para dar um tiro na cabeça em frente do Parlamento. Podemos estar descansados. 

Esta situação tem causas e soluções económicas e sociais. Não vai lá com caridade. Mas os técnicos de saúde têm o dever de conhecê-la e encontrar as soluções possíveis dentro daquilo que está nas nossas mãos. 
.

A Fontinha, pela segunda vez, nas águas do mesmo Rio



No seguimento de uma grande concentração e desfile pelas ruas do Porto, a Escola da Pontinha foi ontem reocupada. Hoje, a polícia municipal e funcionários camarários regressaram ao local e emparedaram-no com tijolos.

Para além dos detalhes das duas operações, acessíveis na comunicação social: 

1 – O processo está longe de estar encerrado. Hoje terá lugar uma Assembleia, que decidirá as próximas etapas, e os apoios ao Projecto são demasiado sólidos para serem calados. 

2 – O braço de ferro que Rui Rio teima em manter pode sair-lhe caro, mas ele sabe muito bem o que está a fazer. Não tolera um projecto como este, porque: 

3 - «Campanhas como esta proliferarão nos próximos tempos, à medida que a crise se intensifique. E é também por isso que um projecto como o da Escola da Fontinha é tão importante. Porque se a Escola da Fontinha partilha com campanhas como o “Zero Desperdício” a ideia de que é necessário construir territórios e redes sociais autónomas do Estado e do mercado, distingue--se radicalmente pelo elemento político que a constitui: na Escola da Fontinha não se trata de ajudar a população empobrecida do bairro, mas de construir um projecto que se pretende baseado no exercício de uma democracia que determina o que se faz, como se faz, quem faz, num plano de igualdade entre tudo e todos os que participem no processo, sem hierarquias, sem líderes e sem cantautores que, por misericórdia, deixam os restos da sua refeição para os pobres.» 
Não o li em parte alguma, mas Rui Rio bate certamente palmas à campanha «Zero Desperdício». 

4 – Para além de toda a sua existência e de tudo o resto, a Fontinha é já um símbolo e uma bandeira. Não se matam símbolos nem se queimam bandeiras. Mil Fontinhas florirão. 
.

Uma bela homenagem



Ontem, na manifestação do 25 de Abril, em Lisboa.
.

É oficial: o homem é tonto*



Grande título: Cavaco Silva. Em cada rosto um vendedor do país Foi certamente esta a única mensagem que quis deixar, no entediante discurso que ontem fez na AR. 

Ficámos a saber que Joana Vasconcelos tem estátuas em Versailles, que há monumentos reconhecidos pela UNESCO em Malaca e no Sri Lanka e que em português se escreve 1/3 do que se lê no Twitter «devido à liberdade criada numa madrugada de Abril». Nunca os maiores entusiastas da Revolução tinham ido tão longe! Em contrapartida e por omissão, deduzimos que, mesmo sem os capitães que ontem não estiveram em S. Bento para o ver e para o ouvir, teríamos Mourinho e também Ronaldo. Sempre a aprender. 

*Foi o que escrevi ontem, no Facebook, enquanto Cavaco falava. E mantenho. 
.

25.4.12

Antes que o dia acabe

.
.

25 de Abril - Quando a PIDE atirou a matar



Por volta das 21:20, a partir das janelas da sede da PIDE, hoje transformada no condomínio de luxo Paço do Duque, os pides abriram fogo indiscriminado, do qual resultaram 4 mortes e 45 feridos que foram socorridos pela Cruz Vermelha e encaminhados para o Hospital S. José e Hospital Militar.

(O som é do Rádio Clube Português.)


.

25 de Abril - Os primeiros jornais

25 de Abril - O primeiro acto de desobediência civil


 (Nikias Skapinakis)



O povo não obedeceu e foi para a rua. 
.

Miguel Portas




Fotos de Paulete Matos.

.

Para sempre





.

24.4.12

Imagens de Abril




«O tempo e o modo de uma revolução na visão de dois fotojornalistas» - Alfredo Cunha e Eduardo Gageiro

O «24» de Abril foi assim

.

A propósito do golpe falhado das Caldas


Também em Março de 1974

Marcelo Caetano foi bem fintado. Não nos deixemos nós fintar agora.
. .

25 de Abril – Tempo de dizer «Basta!»



«Há uma altura em que é preciso dizer “não”, em que é preciso dizer “basta”!». 

Foi com estas palavras que Sousa e Castro iniciou ontem a sua intervenção no Prós & Contras, como justificação para a ausência da Associação 25 de Abril nas comemorações oficiais do 38º aniversário da Revolução, que amanhã têm lugar. (Vale a pena ouvi-las.) 

Um grito de alma na linha do Manifesto que aquela Associação ontem divulgou («contra a iniquidade, o medo e o conformismo que se estão a instalar na nossa sociedade») e que funcionou como uma pedrada no charco, desde as primeiras horas em que foi conhecido. Um gesto simbólico oportuno e cheio de sentido  político e histórico.

Não se fizeram esperar reacções. Quanto aos partidos que não estão no governo, PS e BE foram demasiado lacónicos para meu gosto, dizendo apenas que respeitam a decisão da A25A (era melhor que não respeitassem…). Podiam – e deviam –, pelo menos, ter comentado as razões dos militares de Abril. O PCP foi mais longe, no pior sentido, e «pronuncia-se pela valorização das comemorações oficiais do 25 de Abril, das quais emerge com particular significado a sessão que se realiza na Assembleia da República», condenando assim, implicitamente, a decisão da Associação. 

É sabido que Mário Soares e Manuel Alegre já declararam que também não vão estar presentes. Quanto a Jorge Sampaio, as notícias são um pouco confusas, terá dito que ainda não sabe se estará no estrangeiro, mas ainda faltam vinte e quatro horas e continuo a esperar que não vá ao Parlamento se estiver em Portugal ou que diga explicitamente que não iria mesmo que acontecesse o contrário. 

No Manifesto dos militares, não se contesta o valor democrático das instituições em geral e muito menos da AR (acontecessem as cerimónias lugar num outro local e estou certa de que a posição seria a mesma), mas sim «a linha política seguida pelo actual poder político» que «deixou de reflectir o regime democrático herdeiro do 25 de Abril». 

Em momentos como o de amanhã, há que lutar com as armas democráticas que temos agora na mão. A A25A escolheu a sua. Resta-lhe, como a nós, a rua – na Avenida da Liberdade, em Lisboa, um pouco por todo o país e, muito especialmente, na Praça da Batalha e no Alto da Fontinha no Porto. 
.

23.4.12

Disto não tivemos



Nem no PREC, nem com a Cristas...
.

Tempo de embalar a trouxa e zarpar?



«Com 38 anos de idade, a democracia em Portugal tinha obrigação de ter mais qualidade e estabilidade. Mas a verdade é que cada dia é um marco numa marcha atrás acelerada. Há 38 anos, observando a cavalgada de sacrifícios para os quais, afinal, ninguém sabe apontar um destino, uma meta e um calendário, dir-se-ia que "não foi para isto que se fez o 25 de Abril". Com efeito, o rumo mais dramático da política do velhíssimo Estado Novo está em vias de reposição, com os portugueses a verem apenas um caminho para a frente, quando tudo anda para trás no seu País. E o caminho é o da emigração, que até mesmo governantes têm deixado escapar como solução para os problemas de Portugal e dos portugueses.» (O realce é meu.)

João Paulo Guerra

Pretexto para ouvir o Zeca:



Bem me diziam, bem me avisavam como era a lei / Na minha terra, quem trepa no coqueiro é o rei.
Nesta rusga, não há lugar pr'ós filhos da mãe.
.

Manifesto da Associação 25 de Abril – «Abril não Desarma»



23 de Abril de 2012

Abril não desarma

Há 38 anos, os Militares de Abril pegaram em armas para libertar o Povo da ditadura e da opressão e criar condições para a superação da crise que então se vivia.

Fizeram-no na convicta certeza de que assumiam o papel que os Portugueses esperavam de si.

Cumpridos os compromissos assumidos e finda a sua intervenção directa nos assuntos políticos da nação, a esmagadora maioria integrou-se na Associação 25 de Abril, dela fazendo depositária primeira do seu espírito libertador.

Hoje, não abdicando da nossa condição de cidadãos livres, conscientes das obrigações patrióticas que a nossa condição de Militares de Abril nos impõe, sentimos o dever de tomar uma posição cívica e política no quadro da Constituição da República Portuguesa, face à actual crise nacional.

A nossa ética e a moral que muito prezamos, assim no-lo impõem!

Fazemo-lo como cidadãos de corpo inteiro, integrados na associação cívica e cultural que fundámos e que, felizmente, seguiu o seu caminho de integração plena na sociedade portuguesa.

Porque consideramos que:

  • Portugal não tem sido respeitado entre iguais, na construção institucional comum, a União Europeia.

  • Portugal é tratado com arrogância por poderes externos, o que os nossos governantes aceitam sem protesto e com a auto-satisfação dos subservientes.

  • O nosso estatuto real é hoje o de um “protectorado”, com dirigentes sem capacidade autónoma de decisão nos nossos destinos.

  • O contrato social estabelecido na Constituição da República Portuguesa foi rompido pelo poder. As medidas e sacrifícios impostos aos cidadãos portugueses ultrapassaram os limites do suportável. Condições inaceitáveis de segurança e bem-estar social atingem a dignidade da pessoa humana.

  • Sem uma justiça capaz, com dirigentes políticos para quem a ética é palavra vã, Portugal é já o país da União Europeia com maiores desigualdades sociais.

  • O rumo político seguido protege os privilégios, agrava a pobreza e a exclusão social, desvaloriza o trabalho.

Entendemos ser oportuno tomar uma posição clara contra a iniquidade, o medo e o conformismo que se estão a instalar na nossa sociedade e proclamar bem alto, perante os Portugueses, que:

- A linha política seguida pelo actual poder político deixou de reflectir o regime democrático herdeiro do 25 de Abril configurado na Constituição da República Portuguesa;

- O poder político que actualmente governa Portugal, configura um outro ciclo político que está contra o 25 de Abril, os seus ideais e os seus valores;

Em conformidade, a A25A anuncia que:

- Não participará nos actos oficiais nacionais evocativos do 38.º aniversário do 25 de Abril;

- Participará nas Comemorações Populares e outros actos locais de celebração do 25 de Abril;

- Continuará a evocar e a comemorar o 25 de Abril numa perspectiva de festa pela acção libertadora e numa perspectiva de luta pela realização dos seus ideais, tendo em consideração a autonomia de decisão e escolha dos cidadãos, nas suas múltiplas expressões.

Porque continuamos a acreditar na democracia, porque continuamos a considerar que os problemas da democracia se resolvem com mais democracia, esclarecemos que a nossa atitude não visa as Instituições de soberania democráticas, não pretendendo confundi-las com os que são seus titulares e exercem o poder.

Também por isso, a Associação 25 de Abril e, especificamente, os Militares de Abril, proclamam que, hoje como ontem, não pretendem assumir qualquer protagonismo político, que só cabe ao Povo português na sua diversidade e múltiplas formas de expressão.

Nesse mesmo sentido, declaramos ter plena consciência da importância da instituição militar, como recurso derradeiro nas encruzilhadas decisivas da História do nosso Portugal. Por isso, declaramos a nossa confiança em que a mesma saberá manter-se firme, em defesa do seu País e do seu Povo. Por isso, aqui manifestamos também o nosso respeito pela instituição militar e o nosso empenhamento pela sua dignificação e prestígio público da sua missão patriótica.

Neste momento difícil para Portugal, queremos, pois:

1. Reafirmar a nossa convicção quanto à vitória futura, mesmo que sofrida, dos valores de Abril no quadro de uma alternativa política, económica, social e cultural que corresponda aos anseios profundos do Povo português e à consolidação e perenidade da Pátria portuguesa.

2. Apelar ao Povo português e a todas as suas expressões organizadas para que se mobilizem e ajam, em unidade patriótica, para salvar Portugal, a liberdade, a democracia.

Viva Portugal!

video
.

Isto é o que o governo programa para o 25 de Abril

Para que não se diga que não falo de flores



Estamos na semana do ano em que é previsível que as túlipas estejam na sua melhor fase de florescimento e em que ir a Keukenhof é portanto um must, pelo menos para quem esteja por perto. Foi o meu caso, durante alguns anos, e nunca me cansei desse jardim de 32 hectares, algures a sudoeste de Amsterdão, onde todos os anos reaparecem milhões de túlipas e de muitas outras flores.

Hoje, chove e está frio em Keukenhof e não é só a meteorologia que o diz: pode estar prestes a cair o governo holandês, em divergências políticas aparentemente insanáveis e com o défice do país acima dos 4,7 por cento. «A Holanda pode perder a avaliação máxima das agências de notação financeira e acentuar a crise da dívida da zona euro.»

Bem-vinda ao clube.



.

22.4.12

O mural dos 48 [25 de Abril -3]



Há cerca de três anos, Fernando Matos Silva deu-me acesso a este documentário (realizado por Manuel Costa e Silva), notável e então muito pouco conhecido, que pus online. Recordo-o sempre, em vésperas do 25 de Abril. 

No dia 10 de Junho de 1974, um grupo de quarenta e oito artistas plásticos pintou, em Lisboa, um mural que viria a desaparecer, num incêndio, em 1981. Entre os pintores, muitas caras conhecidas: Júlio Pomar, João Abel Manta, Nikias Skapinakis, Menez, Vespeira, Costa Pinheiro, etc., etc. 

video
.

Polícia versão burlesca



Cheguei ontem ao Camões, pouco depois das 19:00, hora marcada para uma das várias concentrações que têm sido organizadas em solidariedade com o projecto Es.Col.A do Alto da Fontinha. 

Ainda estavam poucas pessoas, mas as que iam chegando traziam um sorriso estampado na cara: vindas da calçada do Combro, da Baixa, da Misericórdia, ou de qualquer outra direcção, todas tinham visto magotes de polícias, em carrinhas (15, ao que parece…), motos ou apeados. O pacatíssimo grupo que acabou por ali se juntar viu-se «guardado» por um arsenal preparado para uma guerrilha urbana! 

Mais tarde, alguns foram até S. Pedro de Alcântara, onde outros cantavam Zeca Afonso e não sei exactamente mais o quê. Dizem-me que estariam, ao todo, umas 100 pessoas… Mas o arsenal securitário não desarmou. 

O que se passou ontem no centro de Lisboa é o espelho do desnorte e da ignorância dos que decidem e comandam estas operações: não percebem nada de nada, confundem bugalhos com coisa nenhuma. E, para além de caricato, tudo isto é perigoso: depois do que se viu no Chiado, nunca se sabe o que pode passar pela cabeça daqueles homens, frustrados dentro de carrinhas durante horas, sem poderem sequer dar umas cacetadas. 

Vêm aí o 25 de Abril e o 1º de Maio e nem consigo imaginar o que se anuncia, em termos de parafernália de segurança. Estão talvez a preparar tanques para patrulhar as ruas. Mas sem cravos, desta vez – ninguém lhos dará. 
.

Ainda a Es.Col.A. – um relato na primeira pessoa



Neste caso, da Gui Castro Felga. O caso do Alto da Fontinha não está encerrado, não deixaremos que o encerrem. Para quem estiver por perto, mas também para muitos que ficarão longe, o 25 de Abril, este ano, passará certamente por lá.

Alguns (largos) excertos do texto da Gui, leitura na íntegra absolutamente aconselhada. 

«Mesmo em ameaça de despejo continua a lavar-se a loiça. Acho que era o que mais me impressionava, naqueles dias antes - a vida continua, mesmo na incerteza do dia seguinte. Organizaram-se turnos de permanência, para não abandonar o edifício, para que a polícia não encontrasse a escola vazia, quando viesse, workshops de resistência pacífica, reforços para portas e janelas, etc. (...) 

Acho que nunca tive tanto medo na vida como quando vi, para lá do muro baixinho do es.col.a e através do gradeamento, os capacetes do corpo de intervenção a aparecer da rua inclinada. Traziam escadas: alguns passaram a vedação e começaram a desmontar a barricada, outros a cercar-nos e a tentar separar-nos. Ao ouvido, um dos polícias sussurrou-me: «irra que as gajas são sempre as mais difíceis», quando eu e outra tentávamos, como possível, agarrarmo-nos para não sermos levadas. Arrastaram-nos para a sala ao lado da cozinha, guardados por vários polícias. Lá de cima, no pátio sobre a cozinha, ouvíamos as rebarbadeiras a cortar a porta de acesso à caixa de escadas. Pouco depois, vimos, incrédulos, através da janela, cortar o mastro da bandeira do es.col.a (uma bandeira pirata que incomodava, ao vento, a autoridade sem sentido de humor...) (…) 

... Que tinham de nos revistar. Não, obrigada - que desculpassem, mas até que me mostrassem algo em contrário era inocente, mostrava a identificação e mai'nada. ... e assim fui eu, de arrasto para o pátio, ser apalpada à força. A polícia atestou ainda 'que não era lésbica', o que me deixou obviamente muito mais descansada (?!?!) e confirmou por si mesma que eu não tinha mais que água, papeis, cadernos, livros, lápis, identificação, cinco euros, telemóvel, chaves de casa. Arrastaram-me para o pátio e obrigaram-me, como aos outros companheiros, um a um e depois do mesmo processo, a ficar de pé e de mãos à parede. (…) 

Do pátio, pelo canto do olho, a visão era tenebrosa, para quem não estiver habituado a rusgas policiais nas favelas do Rio de Janeiro: praí cem 'agentes da autoridade' (nós éramos pouco mais de vinte), entre encapuzados, robocops e polícias 'normais' - no telhado, pelo pátio, no edifício a tentar tirar o grupo de ocupantes do edifício que tinham ido para as palas adjacentes a cada uma das salas. Outro de nós foi caço fora da escola e posto também à parede, aos safanões e pontapés - «onde é que deixaste a câmara, pá?» «...câmara? qual câmara?» (…) 

Roubaram a câmara de quem filmava, do telhado de um vizinho amigo. Fomos arrastados para fora do pátio, e pela rua fora, com as vizinhas idosas horrorizadas, às janelas, a assistir ao reestabelecer da ordem. (…) 

Foram os mais novos do bairro (grandes, grandes, agora) a liderar a manifestação [ida para a Câmara]. Deve ter sido o melhor do dia: ver aqueles rapazes e raparigas da Fontinha a gritar palavras de ordem, a berrar a plenos pulmões e rua fora, de megafone, parando o trânsito em protesto pelo direito à es.col.a, contra o despejo, contra a violência policial, cheios de orgulho das centenas que os seguiam, Santa Catarina abaixo, a tomar a cidade nas mãos. (…) 

 ... Entretanto, moradores confirmaram a destruição do es.col.a: homenzinhos verdes arrancaram as janelas e atiraram móveis, livros, brinquedos e tudo o que estava nas salas para o pátio. Um ano de trabalho árduo de muita gente para montar e manter, sem dinheiro, uma escola - destruídos num dia de raiva e por uma ordem 'para limpar'. Porque sim. 

... no dia seguinte, a quadragésima sexta assembleia do es.col.a reuniu, no largo da fontinha (outra vez). A maior de sempre, suponho, apesar das obras que a CMP fez no largo, que quase impedem qualquer ajuntamento grande de pessoas (ocupai canteiros). 

... e decidimos reocupar a nossa es.col.a a 25 de abril. (…) 

Porque lembrar o 25 de abril é lembrar o dia em que as pessoas perderam o medo e a ditadura dentro das cabeças. E porque não se despejam ideias, nem se matam ideais
.

Bloguemos, então...


.