Páginas

17.3.17

Ok, põe-me ko



«Numa entrevista ao jornal Público, Assunção Cristas revelou pormenores surpreendentes sobre a resolução do BES e não só. Não sei por onde começar. Talvez pela frase: "o Conselho de Ministros nunca foi envolvido nas questões da banca". Provavelmente estavam convencidos de que a troika tratava disso. Se no estado em que estava o sistema financeiro português (BES, BANIF, CGD) no Conselho de Ministros não se falava de banca, mais valia fazerem as reuniões num elevador e falar do tempo. Imagino que nessa altura andassem mais preocupados com os aldrabões do RSI e os chupistas dos pensionistas e não tinham vagar para falar de banqueiros. (…)

Este OK cego da Assunção é uma espécie de KO do discurso de exigência que a líder do CDS/PP exibe na Assembleia. (…) Curioso que isto é mais ou menos como o Salgado fazia na gestão do BES. Para a Assunção, a Maria Luís era a DDT. (…)

Tenho dúvidas se a única atitude que podemos ter, sem conhecer os dossiês, é confiar e dizer que damos o OK. Se calhar, também podemos enrolar o páreo com motivos frutícolas, deitar fora o corneto de morango, interromper as férias e ir saber o que se estava a passar. Custa pensar que alguma das nossas desgraças podiam ter sido evitadas se a água naquele dia não estivesse tão boa. Ainda para mais, para infelicidade nossa, ao mesmo tempo que Cristas estava de férias, a máquina das finanças, do indivíduo de elevado carácter, também tinha tirado uns dias de folga. Maldito bom tempo.»

João Quadros

1 comments:

Victor Nogueira disse...

Este pessoal com elevado sentido de estado, com o pin na lapela é duma ligeireza e "suavidade" impressionantes, duma teatralidade de café de bairro, julgando-nos a todos como se fossemos os deslumbrados tontinhos da aldeia e da paróquia.. Mas neste tristonho entremez falta um irrevogável personagem que era vice-primeiro ministro e líder do partido de assunção e que da crista da onda está "estranhamente" ausente, talvez por ter ascendido aos Céus, mas sem revelações nem aparições.Paulo Portas. E são ligações a estes assombrosos personagens que cisco assis seguro defendem e Cavaco apadrinhou. Valha-nos a Miraculosa Nossa Senhora do Rosário sem a força da santíssima trindade, sem esquecer o Espírito Santo que terá participado em reuniões governamentais ? Pelos vistos Assunção teve um bom mestre na arte das faquinhas nas costas, neste caso do coelho, mas sem a inteligência do seu criador.